sexta-feira, 2 de outubro de 2015

Corações, corações são pequeninos grãos de areia tão fininhos..

... Que qualquer vento menino, leva pra outro lugar.



No calor do momento, quando as palavras saem de sopetão quase se atropelando pra sair eu já sei que vou dizer a mesma coisa que diria amanhã, depois de amanhã, qualquer outro dia em que eu me colocar a lembrar essa coisa toda: Não era pra ser. Não foi.
Mas o que foi - e o que vai ser daqui pra frente - vai ser lindo. E vai me servir. E vai me encher daquela coisa boa que eu sinto sempre que estou perto de alguém que eu gosto muito... Quando estou perto de um amigo com quem eu não falo sempre, mas que sempre que eu falo me deixa feliz e com vontade de falar mais e mais e mais.
Amigo, sabe?
Amigo mesmo.
Bróder.
Acho que essa coisa boa do "que vira" a gente nota na hora. É um feeling, um estralo que dá e a gente nota se vira ou não.





Que o sentimento, não mede palavras, pois as palavras voam no vento
Que o sentimento, não pede palavras, pois as palavras se perdem no tempo

quinta-feira, 1 de outubro de 2015

Hey You! Would you help me to carry the stone?

Tudo o que eu precisava agora é que alguém perguntasse como eu esto e que, mais do que isso, não se deixasse enganar pelo meu "tudo bem" forçado e automático.
Tudo o que eu precisava agora é que alguém percebesse que, embora eu esteja sempre sorrindo, meu sorriso nem sempre é verdadeiro. Que, embora eu seja feita de alegria, também sou como Wander Wildner e não consigo ser alegre o tempo inteiro.
Eu queria uma mão amiga, um ombro confortável, um amigo compreensivo... Queria alguém que entendesse não apenas os meus "sim", mas principalmente os meus "não" - pois é fato que até eu tenho momentos de "não".
Queria alguém que me dissesse, mesmo sem certeza, que vai ficar tudo bem... Que a tempestade vai passar.
Ou alguém que não dissesse nada, mas que soubesse ouvir.