quinta-feira, 26 de maio de 2016

Open your eyes, maybe you'll see the light

Sobre gente que trata a gente feito cocô, paixonites erradas e o tanto que eu ainda preciso deixar de ser trouxa.
(Tudo solto e sem fazer sentido porque, se eu conseguisse colocar as coisas em ordem NUM TEXTO eu estaria em ordem comigo mesma e - HÁ! -  Não é o caso)



Pode acontecer.
Embora eu tenha tatuado na testa um "SACABAB SARAC ARP ELOM SIAM ÊD OÃN" (que vira um "Não dê mais mole pra caras babacas" toda vez que me olho no espelho), eventualmente eu me pego pensando nas paixonites completamente erradas e sem sentido que eu de vez em quando desenvolvo. E em como eu SEI que elas são erradas e continuo mesmo assim. 

Eu falei pra vocês do moço por quem eu me derretia toda só porque ele é baiano e que não queria nada comigo, não falei? Pois bem. Falei do cara bunda mole com quem saí DUAS VEZES e foi bunda mole em ambas, não? Pois muito que bem. São dois exemplos. Dois - o cara por quem me derretia tudo bem, já que ele nunca foi grosso comigo e nem nada - Deixou claro o desinteresse sem ser deselegante e babaca feito o Bicampeão de BUNDAMOLICE - Pois então. Eu posso citar pelo menos mais cinco (menos importantes na escala "me encheram tanto o saco que viraram post") sem estar mentindo e isso só faria de mim uma pessoa ainda mais pamonha.



O bom é que eu consigo perceber a evolução, né? Porque antes eu diria que a culpa é minha porque eu não pego no pé, a culpa é minha porque eu não sou de demonstrar emoções facilmente e blábláblámimimicócócó e agora EU SEI que a culpa não é minha, né? O cara é babaca porque quer, a babaquice é escolha de quem é babaca e foda-se.

Daí tem sempre aquela vozinha do Han Solo me dizendo que eu gosto dos caras porque eles são canalhas e aí eu lembro da minha teoria do porquê eu gostar do Monge (único não canalha da minha vida) e eu entro em estado de completo descaralhamento* porque... PUTA MERDA, BICHO. QUE INFERNO QUE É VIVER NA MINHA CABEÇA.

Tá mais pra "I like you because I'm stupid", mas tudo bem.


Identificando o fato de que os caras por quem eu costumo me sentir atraída me tratam de um jeito... Relaxado, identificando que de algumas ciladas eu já consigo sair (o bicampeão é superado, migos, trust me) e identificando as características que eu curto num cara a ponto de GOSTAR DELE (e as que eu não gosto também, tipo "não ligar pra sexo", vamos falar sério)... Quando eu acho alguém que se encaixa nos prós e contras...

EU
TENHO
MEDO

:D


Medo de tudo, né? De não saber chegar no cara (não sei), de não conseguir manter o interesse caso ele venha a existir, de terminar errado e tudo explodir e eu ter que me ajeitar tudo de novo (dá muito trabaho, me deixa). Tenho medo.
Um cara bacana em quem eu poderia apostar algumas fichas e eu... Travo.

Eu não preciso mais do que isso pra saber que ainda preciso deixar de ser trouxa. Mesmo.
Mas preciso de mais tempo pra colocar as ideias em ordem, então........





* veja bem, tô descaralhada por outros bilhões de motivos, mas como todos os outros são profissionais e totalmente particulares, com nenhuma pintadinha de possível identificação, eu acho que ainda não merecem post (ênfase no AINDA).

terça-feira, 17 de maio de 2016

O meu coração é um músculo involuntário e ele pulsa por você

Eu tenho TRÊS paixões mal resolvidas na vida.
Uma porque eu estou em negação desde 2011 fingindo que ela não existe (E NÃO EXISTE MESMO, É MEU CÉREBRO CONFUNDINDO AS COISAS), a outra porque eu não me conformo que não deu certo (O cara perfeito no momento e na situação errada) e a terceira - e última, graças aos deuses - pelo valor histórico e tudo que representa (kiridinhos, eu guardo DIÁRIO VELHO, como é que eu não ia guardar o MELHOR sentimento que já senti por alguém fora da minha família?).

TRÊS.
R
Ê
SÊRT.


Toda vez que eu penso nisso eu ganho dois fios de cabelo branco - e eu tenho pensado nisso PRA CARAMBA ultimamente.

(só isso mesmo o post, tô jogando várias ideias aqui sem nenhum motivo e/ou conclusão)

segunda-feira, 16 de maio de 2016

Eu me flagrei pensando em você e em tudo que eu queria te dizer

Eu queria muito muito muito escrever sobre o bando de coisas que aconteceram e o monte de coisas que estou sentindo, mas eu preferi me afundar no sofá lendo "Vocação para o mal" e não deu coragem.
Então só vou aqui deixar um conselho: Vão ler a série do Cormoran Strike que a J.K. Rowling escreveu como Robert Galbraith. VÃO. AGORA. CORRAM. Tá mais barato no Extra e dá pra retirar até nas Casas Bahia (!!).
Sério.
LEIAM.
LEIAM.


MEU DEUS, EU QUERO ABRAÇAR J.K. ROWLING.

quarta-feira, 11 de maio de 2016

I can't feel my face when I'm with you (But I love it, but I love it)

A primeira vez que eu entrei em um motel - acreditem vocês ou não - não foi pra fazer sexo, nem foi com um paquerinha.

2010, fase em que o Pirituba e eu estávamos no auge do "somos-amigos-do-peito-amigos-nada-mais". Certo dia eu falei que nunca tinha entrado num motel - Nem em motel vagabundo, daqueles que você paga o quarto por hora e tem uma garota de programa no vintão do quarto ao lado e ele perguntou se eu queria ir num pra ver como era, já que o tio de um amigo nosso era dono de um e a gente podia passar lá pra ver - DE UM JEITO TOTALMENTE NÃO SEXUAL.

Eu nunca tive grilo nenhum com o Pirituba, sabe? Tirando o comecinho, quando ele investia PESADO e eu ainda tava inconformada com o fim do meu primeiro namoro (do tipo que ficava chorando pelos cantos por ter tomado um pé na bunda, não do tipo de roubar o celular dele e riscar a porta do carro), eu nunca tive nenhum problema em falar pra ele tudo o que dava na telha - E tanto a confissão quanto o convite sairam naturalmente, como tudo o que rolava entre a gente naquela época.
Só sei que a gente foi. E não rolou nada lá dentro. Juro. A gente ficou menos de 10min, eu só entrei num quarto "top" e vi as coisas (bizarras) que tinha lá: Cadeira erótica, cama sutra no quarto, "frigobar"com camisinha e essas coisas...

Essa foi minha primeira experiência (não sexual) num motel, o que me fez lembrar de outras duas histórias de motel que me contaram.


1. Um amigo me disse que levou a (na época) namorada prum motel (já tava tudo combinado, óbvio), ela entrou, tomou um banho (sem ele) e DORMIU. DORMIU. Cê acredita que ela DORMIU num motel? E que ele ficou num motel com ela vendo filme pornô enquanto ela DORMIA? Quer dizer... Ela entrou e disse que queria tomar um banho, depois que saiu se aconchegou nele... E dormiu.

2. Outro amigo dirige, mas não tem carro (Mas o bicho tem "a pegada", que assim como ouro, vale mais do que dinheiro). Ele tava com uma mina que, nos meus anos de colegial, foi a responsável por me fazer existir que gente bissexual existe de verdade e não só em filme pornô. Daí estavam os dois dando uns amassos em público, rolou o papo "e aquela sua amiga lá, hein?" e ligaram pra tal amiga que, pasme, topou sair com os dois. Daí encontraram a mina (também sem carro) num lugar X e foram os três, a pé, pro motel. Aí, quando você pensa que ir fazer um threesome indo a pé pro motel já é o cúmulo da bizarrice, eles estavam indo a pé pro quarto e viram... UM PROFESSOR NOSSO DO ENSINO MÉDIO no corredor.
Só imagina.

terça-feira, 10 de maio de 2016

Seu quase rir ilumina tudo ao redor

L.H.O.O.Q. (Pronúncia francesa: [el aʃ o o ky]) é o nome de uma das obras do pintor dadaísta Marcel Duchamp. Na pintura realizou uma paródia da Mona Lisa, de Leonardo Da Vinci com bigode e uma barba. A sigla, lida em francês, parece dizer "Elle a chaud au cul", que em português seria "Ela tem fogo no rabo".


_____

Quando eu estava na sexta série tinha um quarteto de patricinhas na minha sala que eram o que de PIOR poderia haver na minha sala. Eu as detestava e aproveitava TODAS as oportunidades possíveis pra sacanear - Pena que eu era trouxa e essas oportunidades eram raríssimas... MAS QUANDO EU TINHA UMA... AHHHHHHHH, AMIGOS...

Teve essa vez que eu ganhei um livro de artes (sim, na sexta-série, me deixa) e eu descobri a existência de Marcel Duchamp. Fiquei surtada pra falar disso com alguém e, pra variar, nem minha (na época) melhor amiga (psicopata, aquela da história do Amarelo), se interessou por isso,daí eu me interessei num nível OBSESSIVO, a ponto de querer aprender francês pra falar "Elle a chaud au cul" num francês perfeito (lembrem-se que era uma época pré-google tradutor).

Aí eu tava num dos recreios (era fundamental, então era recreio e não intervalo) com meu livrinho de francês for dummies com uma Torre Eiffel na capa e a lider das patricinhas esnobes veio jogar na minha cara, DO NADA, que ia pra França nas próximas férias. Me mordendo de inveja eu consegui disfarçar tudo e falei "Ah, que legal! Você sabe falar francês?" e ela "Não, não sei". Nesse momento o meu cérebro DOENTIO E LOUCO começou a bolar o que eu, na época, considerei o plano mais demoníaco da história dos planos demoníacos:

eu: Poxa, que chato! Eu tô aprendendo. Sabe como fala "oi, tudo bem" em francês?
Ela: Não!
eu: Se quiser eu te ensino.
Ela: Ok!
Eu: "Ell! Te ceci?" Repete pra ver se você aprendeu.
ela: "Ell! Te ceci?"
eu: Isso!
ela: Obrigada! Ell te ceci ell te ceci ell te ceci - e foi embora.

Obviamente eu menti. Obviamente eu me inspirei em Duchamp e fiz um E.T.C.C, que nada mais era que um acrônimo para "Ela tem cara de cu".

Eu fui uma criança horrível.

sexta-feira, 6 de maio de 2016

Mini Romance 11 - Se eu continuo dando chances pra um trouxão, a trouxona sou eu?

(questão)


Eu já sabia da existência desse cara desde 2010, por causa de um amigo em comum, mas eu só o conheci ao vivo em 2011, num bar de aniversário de um conhecido. Quando eu o vi entrando no bar pensei que fosse um ex (rs) e fiquei ligeiramente descaralhada das ideias imaginando o porquê do tal ex estar no bar COM UMA MOÇA uma semana depois da gente ter terminado (de um jeito meio hostil). Aí quando ele se apresentou (com a namorada ao lado) tudo ficou bem. 
De 2011 até 2014 a gente se viu umas duas vezes e quase não conversamos porque a namorada dele era um pé no saco e eu não era obrigada. 
Até que ele terminou o namoro em 2015 e o amigo em comum, que tinha me falado da existência dele lá em 2010, me incentivou a sair com o cara porque, segundo ele, a gente tinha uma coisa em comum: Só gostávamos de gente trouxa.
Bom, levei MESES maturando a ideia até que em maio do ano passado a gente saiu - e foi bem legal.
Sério. Foi uma pausa maravilhosa na vida amorosa de merda que eu tive nos últimos anos. Era divertido, engraçado, bonitinho, me fazia rir, me fazia sentir QUERIDA e sempre demonstrava estar se divertindo tanto quanto eu todas as vezes que saímos. Eu não tava apaixonada, ele não tava apaixonada... Mas era aquele climinha gostoso de que, se a gente continuasse fazendo aquilo e fosse tão bom quanto estava sendo, provavelmente eu estaria apaixonada em breve. Vocês sabem essa sensação, né? Então.

Tava indo tudo bem até queeeeeeeeeeee... A ex-namorada dele começou a fazer umas coisas loucas tipo MANDAR INDIRETAS PESADAS na internet, roubar o celular dele, riscar o carro dele com B-E-A-T-R e postar coisas nas redes sociais DO CARA falando mal DE MIM como se fosse ele.
Bicho, foi uma situação tensa. Eu não contei METADE das coisas que a mina fez porque ainda tenho medo dela não foi com ela que eu saí e as loucuras dela, EMBORA ELA INSISTISSE EM ME COLOCAR NO MEIO, não são da minha conta. Só posso dizer que, por causa dela, eu quase rasguei minha carteirinha de feminista em vários pedacinhos pra engolir cada um deles com um pouco de álcool absoluto pra descer mais fácil.

O que está em questão aqui é a atitude do cara quando isso aconteceu. Nessa situação eu fiz o que qualquer pessoa com meio neurônio faria: Caí fora cantando que não era amor, era cilada. Falei que não ligava pra ex, que eu não tinha nada a ver com aquilo, desde que ele tomasse uma atitude pra parar essa palhaçada toda (lembrando: A mina mandava mensagens ameaçando, a mina roubou o celular dele, a mina riscou o carro dele). 
E ele tomou uma atitude: Parou de falar e sair... COMIGO.
"Mas como assiiiiiiiiiim?"
Olha, nem sei. Só sei que COM ELA ele falou por uma par de dias ainda - e nem foi pra pegar os dados da criminosa pra denunciar pra PM por - sei lá, não sou advogada - estragar o carro dele. Foi pra falar mesmo porque ele "não pode apagar da vida uma pessoa que foi importante por tanto tempo"

HMMMMMMM
M
M
M
M
M
M
M
MMMMMMMMMMMH


Quem sou eu pra diagnosticar alguém, né? Mas aí era bem óbvio que OS DOIS eram dodóis da cabeça e eu tinha que sair correndo dali antes que acabasse machucando alguma coisa além do meu ego. Eu não tava apaixonada, mas VAI SABER se essa situação adversa não ia me dar um revertério mental. Eu não tinha contato com a ex louca, mas VAI SABER se ela sabia coisas de mim que eu não. Melhor não arriscar, né?
Então acabou tudo.
Teve aquele momento de não querer ver a cara do sujeito nas redes sociais, de desmarcar rolê onde ele estaria, de sacanear em todas as mesas de bar possíveis... Teve o momento de falar sobre ele pra Terapeuta e sacar que o cara tinha sido quase nada e teve o momento de deixar todo o rancor ir embora porque isso não me faz bem (Mas cautela e canja de galinha não fazem mal a ninguém e a moça até hoje é bloqueada de todas as minhas redes sociais. Just in case).


Esse ano eu reencontrei o moço e, como não tinha mágoa, mas continuava gatinho, continuava me fazendo dar risada e continuava um cara gente fina e - aparentemente - tinha passado no psicotécnico e se libertado do exu da ex-namorada, a gente saiu de novo.
Eu nem preciso falar o que aconteceu (até porque a história ainda não prescreveu), mas vou  deixar uma citação de um barbudo vermelho aqui e encerrar esse post com um belo DESCUBRA.




A história se repete, a primeira vez como tragédia e a segunda como farsa.
- Marx.

quarta-feira, 4 de maio de 2016

Come for me and set me free lift me up and take me where I stand

Lembrete para mim mesma:


NÃO DÊ MAIS
MOLE PARA
CARAS BABACAS
Você MERECE bem mais. Você CONSEGUE bem mais.


(amigxs, se servir pra algum de vocês podem aproveitar a dica sem medo, tá?)

____

BABACA

- Contando da última (MESMO, ÚLTIMA, CHEGA!) do moço (que eu já sabia que era bunda mole desde o ano passado) pro Pirituba ele não hesitou nem por um segundo antes de tachar o cara de babaca covardão. E respondeu todos os meus "mas" tentando aliviar pro cara (porque eu sou esse tipo de gente que tenta ver a situação por ângulos diversos mesmo quando tudo o que há é um grande círculo e plmdds Monge não me venha com "círculo tem ângulos" porque eu nem sei se isso é verdade e não quero descobrir) com BABACA, BEATRIZ, ELE TÁ SENDO BABACA. Captei vossa mensagem, Pirituba. 
Esse cara foi babaca mesmo porque usou uma situação X que existe pra justificar um monte de coisas que, cara, não precisavam ser justificadas com aquilo. Vocês não vão entender e eu não posso explicar porque isso envolve dar detalhes que ainda não prescreveram dessa história (talvez eu faça um mini romance contando como ela começou, lá em 2015), mas acreditem em mim: O cara basicamente me dispensou ATÉ FINAL DE JUNHO porque precisa TERMINAR UM TRABALHO e, cinco minutos depois, confirmou um rolê com nossos amigos em comum NA MINHA FRENTE. Tem mais do que isso, mas isso já dá uma prévia. Bunda mole. Covardão. Eu aceitaria numa ótima o "não quero mais sair contigo", mas essas desculpas de pau no cu me irritam mais do que qualquer outra coisa.


NÃO BABACAS, MELHORES PESSOAS

- O Monge, essa criatura maravilhosa, fez minha sexta feira um pouco mais animada apenas IMITANDO PERSONAGENS DO LADO NEGRO DA FORÇA - melhor imitação de Palpatine DA VIDA. Sério, que pessoa maravilhosa ♥ (pena que é Monge)

- O Pirituba, essa criatura maravilhosa, fez meu sábado (e minha segunda) mais animado assistindo  comigo (ao mesmo tempo, mas em lugares diferentes) uns três episódios de That's 70 Show, da primeira temporada, quando o Fez era pequenininho e a Jackie era irritante ♥ E eu ♥ a Donna.

- O Amigo com Alma Russa, essa criatura maravilhosa, fez meu domingo melhor indo comigo ver o primeiro jogo da Final do Campeonato Paulista lá no Rochdallão. #GOAUDAX #VAMOOSASCO
Já falei pra vocês que futebol sempre melhora meu humor? Pois então.

Foto cagada, torcida mais ainda (SANTOS DO CARALHO, LUGAR DE PEIXE É DENTRO DO AQUÁRIO)


Eu posso estar cagadíssima no quesito "paquerinhas" da vida, mas MEU DEUS DO CÉU, COMO MEUS AMIGOS SÃO INCRÍVEIS ♥ Obrigada. Obrigada. São as pequenas coisas que valem mais. Vocês salvaram meu final de semana (e a segunda).