quinta-feira, 31 de dezembro de 2015

I want the doctor to take a picture so I can look at you from inside as well (2)

(a.k.a "Retrospectiva 2015, pt 2)

Esse post é a versão 2015 de uma sugestão do (falecido) Rotaroots.
*.*.*.*.*.*.*.*.*.*.*.*.*.*.*.*.*.*.*.*.*.*.*.*.*.*.*.*.*.*.*.*.*.*.**.*.*.*.*.*.*.*.*.*.*.*.*.*.*.*.*.*.*.*.*.*


Janeiro



Em janeiro teve praia. Teve muita praia. Teve praia pra caramba e passeios de turista na praia.


















Teve ver o Palmeirinha ser eliminado na Copinha, lá na Arena Barueri.
E eu fui feliz pra esse jogo e torci pros moleques como se fosse o time principal. Se isso não é gostar do Palmeiras eu não sei mais o que pode ser.















Teve show do Jorge Ben Jor no parque da Juventude também. Que mulheeeeeeeeeer o Jorge Ben Jor.


















Fevereiro


Em fevereiro teve teatro de Libras: Eu fui a Branca de Neve na peça "Branca de Neve e a anã", uma releitura moderna e em libras do clááááássico.

















Teve Carnaval também. Cerca Frango, catuaba, chuva, tinta de diversas cores na cara e esse moço de óculos que eu não faço ideia de quem seja e o porquê dele estar numa foto minha com meus amigos. Sério.
Carnaval ¯\_(ツ)_/¯















Março




Em Março teve Cachorro Grande pra alinhar as vibes e começar o ano letivo bem. Nunca falha!

















Teve também Fitz & The Tamtruns e Kongos, o meu primeiro show sozinha.



















Abril


Em abril eu mudei o cabelo e virei um pirata.
























Em abril teve mudanças na chefia do trampo e uma festa com várias gerações de funcionários que foram se despedir da chefe que se aposentou.

















Em abril teve um final de semana no sítio com a família materna e a constatação de que eu sou tão branca que chego a brilhar, fato único na minha família. Preciso urgentemente tomar um solzinho.















Maio






Em maio eu fiz dos museus de São Paulo a minha segunda casa: MAC e MASP foram mais frequentados do que qualquer outro lugar.

















Junho



Em junho teve surtinho por reconhecer hino de torcida na prainha da ECA, nos festejos do JUCA.






















Teve também a FJ clássica de todos os anos, a que não pode faltar nunca.
(teve outras festas juninas e outras fotos mais representativas, mas É MELHOR DEIXAR EM OFF).
















Julho





Em julho teve pizza e bar com o pessoal do trabalho/da faculdade pra comemorar o fim do semestre letivo que foi pesado.
E teve praia, claro. Pra recarregar as energias.




















Agosto

Em Agosto teve um Bradley Cooper gigante no shopping e foto constrangedora tirada na frente desse Bradley gigante porque eu não ia deixar essa chance passar, né? Óbvio.


















Em agosto também teve muito trabalho. Muito. E o primeiro evento totalmente organizado por mim. Vôo solo. 

















Setembro


Em setembro eu fui totalmente criança e paguei dinheiro de verdade pra mergulhar numa piscina de bolinhas.



















Teve o meu TERCEIRO show do Lo Borges no ano, o primeiro que eu fui sozinha e a certeza de que eu amo esse homem um tanto ♥













Outubro


Em outubro teve a saída do trampo e a certeza de que eu sou uma pessoa abençoada: Só trabalhei com gente maravilhosa em TODOS os lugares onde passei. Saí do trampo, mas os amigos eu trago comigo, no coração, até hoje.









Novembro


Em novembro teve rolê Osasco: Um mercado aqui da região instalou um parque no estacionamento e eu fui. 
Tão bonitas as luzes ♥















Dezembro


Em dezembro teve Palmeiras campeão!



















Teve estudante de São Paulo fazendo bonito e protestando de um jeito que a esquerda não conseguia há 20 anos.
















Teve gente maravilhosa ♥




















E, como a regra ainda é clara, eis minha última selfie de 2015:






FELIZ 2016 PROCÊS ♥

quarta-feira, 30 de dezembro de 2015

Never gonna stop, give it up, such a dirty mind

Acabei de reparar que eu tenho alguns posts "atemporais" programados pelo menos até MARÇO de 2016.
Imagina que bizarro se eu morrer e/ou se acontecer alguma merda comigo daqui até lá?
Esse blog vai ser atualizado e vai parecer coisa de fantasma.



Hmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmm

Lista interminável, infinita, gigante, incompleta e constantemente atualizada de coisas que amo, mas que não necessariamente estão na ordem do quanto eu amo (2)

4. Passar o Natal com meus pais. Só nós três, os cachorros e o papagaio.
Esse ano eu fiz a ceia do começo ao fim, desde comprar os ingredientes, até lavar a louça depois, passando por preparar a comida e (obviamente) comer tudo. Minha mãe deu nem palpite, única coisa que ela fez foi ficar de olho na massa pra mim enquanto eu subia pra tomar um banho.
Passei o Natal de camisola, tomando vinho direto da garrafa e ouvindo Beatles enquanto batia papo com meu pai (que tomava cerveja) e minha mãe (que tomava cuidado pra não encher o saco por meu pai e eu estarmos bebendo já que ela não bebe). 
Foi lindo: Deu 00h, minha mãe e eu vendo o desenho dos pinguins na Globo, meu pai roncando no sofá com um cachorro de cada lado. "Feliz Natal, gente! Vamos dormir?" "Opa, já é!" Cada um no seu canto, quase 1h rolando na cama até conseguir dormir (comi demais, ferinhas. Meu pecado capital predileto só não é a gula porque de vez em quando bate preguiça de comer) mas no final deu tudo certo e o Natal foi firmezíssimo. Recomendo.

5. Perceber como minha mãe sai de "completamente desinteressada" para "chateada porque acabou" em 10min toda vez que começa a ver um filme água com açúcar comigo. Veja bem: Meus pais também não são bons nessa coisa de demonstrar sentimentos explicitamente: Eu sei que eles me amam e eles sabem que são meus pais prediletos (hehe), mas a gente não fala isso todo dia. Com minha mãe é mais fácil falar de sentimentos do que com meu pai, mas também não é fácil. E ela tem um negócio ainda mais difícil do que eu: Minha mãe NÃO DÁ CHANCE pras emoções saírem. Eu curto umas músicas de fossa, uns romances água com açúcar de vez em quando... Mas ela não. Se eu quero ver algum filme com minha mãe é bom que tenha pelo menos dois de três disso: explosões, Steven Seagal, hospitais. De resto, ela até senta no sofá/cama, mas é com o celular na mão e deixando claro que ela só tá ali pra ser legal comigo.
Maaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaas... Isso dura uns 10min.
Hoje nós assistimos "Questão de Tempo" e ela, que começou de cara amarrada porque queria ver um filme com o Van Damme, terminou dizendo "que lindo, que lindo" e falando que ia indicar pra minha tia.
Eu curto isso pra caramba, 'cês não tem ideia. O QUANTO eu gosto de ver esse lado mais ~emotivo~ da minha mãe.... Nossa ♥


6; Ver meu pai interagindo com bichos e crianças e, eventualmente, com crianças que se comportam feito bichos.
Se meu pai estiver em alguma situação social em que ele não se sente bem ele vai procurar ou criança ou bichos pra socializar porque, de um jeito BEM ESQUISITO, ele tem um jeito incrível com as duas coisas. Cachorro bravo? Ihhhh, deixa 5min com meu pai que ele já fez amizade pra vida e tá mandando o bicho deitar, rolar, dar a patinha e fingir de morto. Criança encapetada??? Deixa com o meu pai que ele faz "o elevador de cabeça" e a criança vai desencanar de ser uma criação de Satanás pelo tempo em que ele estiver na casa e só vai voltar a dar chilique quando chorar de boca aberta quando ele tiver que ir embora. Criança tímida??? There's no such thing com meu pai por perto. Sério. Ele faz até bullies e vítimas socializarem e virarem amigos. Juro pra vocês. É impressionante.
Os adultos com polegar opositor podem não gostar muito dele (porque meu pai é difícil), mas nem eles podem negar o quanto é bacana ver meu pai interagindo com não-humanos e humanos filhotes.
E eu, que já sou uma SUPER FÃ do meu pai, acho ainda mais legal. 

terça-feira, 29 de dezembro de 2015

Lista interminável, infinita, gigante, incompleta e constantemente atualizada de coisas que odeio, mas que não necessariamente estão na ordem do quanto eu odeio (3)

10. Ser acordada por um pernilongo cantando no meu ouvido. Acontece muito no verão e é mais um dos motivos pra eu ODIAR essa estação: É um inferno conseguir dormir porque TUDO é quente e desconfortável e tem suor e meu quarto é laranja e a vida é complicada pra quem gosta de cor berrante nas paredes e quando eu finalmente consigo dormir... Acordo com um pernilongo cantando no meu ouvido. Meu querido (ou querida, né? Que são as fêmeas que picam), CHUPA TODO MEU SANGUE MAS NÃO ME ACORDA;

10b. Eu sou alérgica à picadas, então chega novembro e meus pés ficam todos pintadinhos, como se eu estivesse com CATAPORA porque é claro que os malditos pernilongos gostam de mim e me picam ao invés das outras pessoas desta casa (ou de qualquer outra casa que eu por ventura habite durante as férias de final de ano). Então se essas porcarias de pernilongos não me acordam... Eu ganho MANCHAS na pele e picadas enormes por todo o verão por causa deles. Sério, gente... Eu mostraria o meu pé e minha canela pra vocês - mas vocês não querem ver e eu não quero mostrar, então acreditem. Parece catapora.


11. Fogos de artifício NO NATAL.
Sério mesmo, Natal é pra comer, trocar presente, rezar (se você é de rezar) e comer mais. Pra quê 'cê vai soltar fogos no Natal, seu escroto? E bombinha, então, que nem COLORIDO BONITINHO É? Qual a necessidade? Meu Deus, enfia uma rabanada na boca e para de ser escroto. 
Aliás, por mim - traumatizada, que tem um pai que perdeu a audição do lado esquerdo porque um primo imbecil da minha mãe estourou UMA BOMBINHA DENTRO DE CASA (juro por Deus, essa gente parece que nunca jogou The Sims na vida...) - as pessoas NÃO DEVERIAM soltar rojão porque puta coisa desnecessária, né? 
Maaaaaaaaaaaaaaaaas... Como eu sou GENEROSA, por soltem só uns fogos de artifício sem barulho.  Toda a corzinha, os bichinhos, as estrelinhas e zero barulho que assusta criança, bichinho e deixa os pais da gente surdos porque os primos da nossa mãe são imbecis e irresponsáveis. Existe isso? Fica a dica, inventores e gente que curte ganhar dinheiro.

Tão bonitos os estralinhos, mas tão pau no cu o barulho... aff.
"Mas Beatriz, seus primos que foram estúpidos..." Sim, eu sei. Mas entre matar alguém estúpido e viver com a culpa e fazer um negócio que vai ajudar mais gente do que atrapalhar... Eu fico na dúvida porque o primo da minha mãe é bem idiota mesmo, pqp escolho trabalhar a tecnologia pra melhorar os fogos de artifício.


12. Como o meu caramelo de pudim QUEIMA e deixa meu pudim de leite escurinho parecendo... Sei lá... De leite queimado (?). O gosto tá ótimo, o caramelo tá naquele ponto BONIIIIIIIITO... Aí quando eu tiro o pudim da forma... Tá queimado. Tá parecendo pudim de chocolate.
 Gente, 'cês tem alguma dica pra me dar? Sério mesmo. Eu sou uma cozinheira maravilhosa e não saber acertar uma porcaria de calda de pudim TÁ ACABANDO COM MINHA VIDA.

segunda-feira, 28 de dezembro de 2015

Mini romance 7 - Um sorriso assim jocoso

7. O engenheiro da UFSCAR

Tinha esse cara que era um espetáculo de tão bonito: A gente se conheceu por meio de uma (ex)amiga minha e, no primeiro dia que saímos, paramos no Centro Cultural ali da Vergueiro pra tomar uma cerveja perto dos cursinhos e foi constrangedor o tanto de moça que VIROU A CABEÇA pra ver ele passar. Ele era maravilhoso, meu Deus do céu... Eu até postaria uma foto porque esse nem terminou bem, mas eu mandei REVELAR uma foto que tirei com ele só pra eu no futuro lembrar dos meus dias de glória porque... O cara era lindo. Maravilhoso.
Pensem numa versão pobre do Bradley Cooper e vocês terão mais ou menos uma ideia de como ele era (só não tinha aqueles olhos maravilhosos do Bradley, mas DE RESTO chegava bem perto).
Ele era lindo. Mesmo. E, obviamente, por esse motivo, eu ficava absurdamente desastrada perto dele.
Nesse dia, o primeiro em que nós dois saímos, a gente tava conversando do passado e falando besteira quando ele começou a contar uma história de uma menina que ele conheceu. O nome dela? Não importa, não lembro. O que eu lembro dessa história é que ele começou com "Conheci uma menina que veio do Sul" e eu, que sou um POÇO DE BABAQUICE, completei com aquela música do É o Tchan que eu não vou citar aqui.
Eu nem lembro da reação do cara mas, levando em conta que a gente saiu por quase seis meses (mas ele era de São Carlos, então nesses seis meses se a gente se viu seis vezes foi muito rs) , ele deve ter dado risada.
Esse foi um mini romance também, apesar de ter durado seis meses, justamente por causa dessa distância toda.
E, além do fato de que esse cara era LINDO MARAVILHOSO, eu só consigo pensar nessa história com certo rancorzinho pelo jeito imbecil como terminou (digamos que ele foi babaca).
Mas essa mini historinha, combinada com o print que eu achei quando ia apagar umas coisas do HD pra fazer espaço pras fotos do backup desse ano, me fizeram dar gostosas risadas. Não tanto na época, mas HOJE é até divertido.






UPDATE, 22h23. Meu Deus, Bradley Cooper...
Até piolhento esse homem continua lindo...





sexta-feira, 25 de dezembro de 2015

With ev'ry christmas card i write. May your days be merry and bright

Duas mensagens: Uma no Natal e uma no aniversário.
E eu já voltei a ser flor quando tudo o que eu queria era ser pedra.

Meu Deus do céu, fim de ano me deixa tão mole que dá até vergonha.


(eu queria falar sobre isso, mas estou letárgica demais por causa do tanto que comi nas últimas 24h e não dá pra desenvolver um pensamento coerente ainda)


Updade 19h56: HAHAHAHA... BICHO, É TÃO FÁCIL ME IRRITAR, 'CÊS NÃO FAZEM IDEIA. Já virei pedra e tô quase tacando a pedra na cabeça dos outros.

quarta-feira, 23 de dezembro de 2015

Das músicas que revelam uma obsessão que deve ser tratada (11)

Corra Pela sua Vida  - Beatles


Bem, eu preferiria te ver morta, garotinha
do que com outro homem
É melhor você manter a consciência, garotinha
ou não vou saber onde estou

É melhor você correr pela sua vida se puder, garotinha
Esconda sua cabeça na areia, garotinha
Te pegar com outro homem
É o fim, garotinha

Bem, você sabe que eu sou um cara mau
E que eu nasci com uma mente ciumenta
E eu não posso desperdiçar minha vida
tentando fazer você ficar na linha

É melhor você correr pela sua vida se puder, garotinha
Esconda sua cabeça na areia, garotinha
Te pegar com outro homem
É o fim, garotinha

Deixe isto ser um sermão
Quero dizer, tudo que eu disse
Baby, estou determinado
E prefiro te ver morta

É melhor você correr pela sua vida se puder, garotinha
Esconda sua cabeça na areia, garotinha
Te pegar com outro homem
É o fim, garotinha

Bem, eu preferiria te ver morta, garotinha
do que com outro homem
É melhor você manter a consciência sua cabeça, garotinha
ou não saberá onde eu estou

É melhor você correr pela sua vida se puder, garotinha
Esconda sua cabeça na areia, garotinha
Te pegar com outro homem
É o fim, garotinha

Na, na, na.
Na, na, na.
Na, na, na



Ele pode ser o Rei do Iê Iê Iê, mas ainda assim não é seu dono. Isso é doentio, moça. Foge daí. Fica longe desse cara e desse tipo de relacionamento.

terça-feira, 22 de dezembro de 2015

Lista interminável, infinita, gigante, incompleta e constantemente atualizada de coisas que odeio, mas que não necessariamente estão na ordem do quanto eu odeio (2)

6. Sommelier de tragédia - gente que quer ditar regras de como o seu lamúrio, o seu luto, a sua lamentação sobre qualquer assunto trágico deve ser. Você conhece alguém assim. Ontem, com o incêndio no Museu da Lingua Portuguesa, apareceram um monte, desde o "não frequentava e agora tá chorando" até o "vai lá chorar pela lingua do colonizador agora" (juro por Deus). Sério, me diz QUAL A NECESSIDADE DISSO???

7. Filas de fim de ano. Pra qualquer coisa: Natal, mercado, shopping, cabine de pedágio, feira, lojinha de R$1,99, quiosque inocente do McDonalds instalado há 8753213547 metros de qualquer lugar. Parece que TUDO no fim de ano ganha uma fila. É impressionante. Isso só perde para:

8. O Circular da USP lotado no começo do ano, quando os bixos tão perdidos e não sabem exatamente como sair/andar/se comportar dentro da Cidade Universitária e ENTOPEM todos os ambientes. Demora um pouco até todo mundo saber que o cobrador do ônibus NÃO ESTÁ MAGNETIZADO e a galera pode se espalhar pelo ônibus sem ficar grudada nele (mas nem quero falar muito disso pra não gastar a reclamação que vai rolar em março quando isso DE FATO acontecer).

9. Pombas.

Vem, levanta agora dessa cama, menina - Cavalo de fogo te espera, menina



Sagitário é um signo de fogo, junto com áries e leão.
O Simbolo desse signo (que, por acaso, é meu signo) é um cavalo - ok, um centauro, mas é METADE CAVALO, já basta.
Daí tava pensando nisso e de repente lembrei do CAVALO DE FOGO.
Que nunca foi de fogo, por que diabos chamavam o desenho de CAVALO DE FOGO se nunca teve a menor menção a ele cuspir fogo ou algo do tipo?
Aí eu lembrei de um tweet que rolou minha TL do twitter certa feita ('cês tem twitter, gente? Melhor rede social!) de um cavalo de fogo que estava de fogo com o fogo sendo "de porre" e ri sozinha na frente do PC.


Minha mente... Ela dá umas voltas, cara... UMAS VOLTAS que não fazem o menor sentido.



Update, 19h43
Me mandaram a foto que ilustrava o tweet:


segunda-feira, 21 de dezembro de 2015

Without a noise, without my pride I reach out from the inside


Ow, posso pedir um favor rapidão?
Para o que você tá fazendo e gasta 10min da sua vida ouvindo isso aqui.
Depois me diz se o seu humor não melhorou.



Plmdds, essa música... Esse filme... Olha...




domingo, 20 de dezembro de 2015

Quero o meu nome ler no edital "26 anos foi marginal!"

Hoje é meu aniversário. Me amem ainda mais porque eu mereço.






26 anos de vida normal
5 eu passei lendo jornal
26 anos esperando você
4 eu passei vendo TV

Sei que muita coisa que eu fiz eu não quis
Sei de muita coisa que eu quis que eu não fiz

quarta-feira, 16 de dezembro de 2015

This is for my girls all around the world who've come across a man who don't respect your worth

Um texto (em inglês) que dialoga com aquela coisa que eu falei uns tempos atrás sobre o babaca que me fez sentir mal por fazer sexo:





"It’s the idea that when a woman consents to sex, she’s consenting to it any which way, and being treated like a piece of meat is just part of the package she’s agreed to"

terça-feira, 15 de dezembro de 2015

And you've never met anyone as negative as I am sometimes



Minha terapeuta e eu estamos naquela fase em que uma sessão por mês tá bom, tá daora, a gente só acerta uns pontos e "tchau, se cuida, até o mês que vem, se precisar me liga e vem aqui... Mas você tá bem e não vai precisar", dindin no bolso dela e, geralmente, um monte de coisas pra eu ficar matutando durante o mês, escrever sobre e discutir com ela no mês seguinte. Tá ótimo, é melhor do que quando eu ia pra lá e pilhava no descontrole e no monte de "e se?" e neuras. 
Eu só não falo que essa mulher foi a pessoa mais importante dos últimos dois anos da minha vida porque ELA me fez ver que, na real, a pessoa mais importante sou eu. Sempre. Pelos últimos (quase) 26.  E foi nos momentos em que eu me esqueci disso que as coisas deram errado.
Enfim... QUE MULHERRRRR MINHA TERAPEUTA!

Ano passado quando rolou todo aquele lance com o Monge (eu já citei, mas nunca falei diretamente sobre ele por aqui e sempre falo que "um dia eu falo". Bom... Um dia eu falo) ela ficou quase tão empolgada e feliz com as coisas que eu contava do que eu. Não sobre a história em si, mas com a MINHA reação sobre a história toda. O que vocês não sabem (porque não prestam atenção) é que eu fui para a terapia principalmente porque não sei demonstrar sentimentos e, quando o faço, é sempre de um jeito explosivo e direto, o que nem sempre é bom.

Mas o Monge,desde o começo me deixou confortável e fez as coisas fluírem tão bem entre a gente de um jeito que só tinha acontecido com uma pessoa antes dele: Justamente o meu primeiro namorado, o cara dos cinco anos, o cara que me fez começar a fazer terapia quando a gente terminou porque eu não sabia lidar com o tanto de sentimentos que eu tava sentindo tudo de uma vez. 

Bom... Eu nem preciso dizer que isso me apavorou de um jeito que teria me feito correr uma maratona pra longe dele caso ele não tivesse feito isso primeiro, né? Claro, o Monge não me traiu com uma moça da faculdade feito o primeiro namorado e depois disse que tinha perdido a juventude comigo (pois é): As razões dele foram... melhores (?). Não vem ao caso discuti-las, o que vale é que não deu certo, eu fiquei mal e decidi que jamais ia falar dele com ela porque sou idiota e tava repetindo os erros que fiz antes darrrr... Tinha nada a ver falar dele sendo que o negócio tinha acabado como todas as outras coisas acabam e eu teria que viver com isso e falar só foderia o rolê todo, era até bom que tinha acabado blábláblá

Nisso se passaram QUASE DOIS ANOS de eu contando todas as coisas que aconteciam, que me faziam ficar nas neuras, contando as coisas das quais eu ficava orgulhosa e entrando lá pra chorar copiosamente o que tinha dado errado (aconteceu mais de uma vez, admito) até regular os sentimentos a ponto de conseguir dizer "eu amo você" e "obrigada por estar comigo" e "sinto sua falta" e coisas do tipo pras pessoas que amo e "olha, acho que não tá legal isso que você está fazendo" e "isso me magoa, eu não sou obrigada a aguentar isso" e "você tá sendo babaca, pare" pra quem estava de algum jeito me magoando. Eu tô tão bem que a gente já tá pensando em parar de se ver ano que vem.

Mas adivinha se eu não corto qualquer menção ao Monge assim que percebo que estou começando a falar dele? E adivinha se ela não fica puta com isso? E adivinha se ela não me deu razões muito boas pra falar sobre isso hoje e me convenceu a ponto de eu querer falar. E gastar quase DUAS HORAS falando sobre isso hoje (pra desencavalar o ano inteiro de omissão).
Que mulherrrr a minha terapeuta.


Aí estávamos conversando (a terapeuta e eu) e eu lembrei desse post da Leila (oi Leila, adoro seu blog, sempre leio e adoro que você entre aqui... Mas sou tímida e não comento ♥) e do desafio de cartas e decidi que vou unir o útil ao agradável e escrever pras pessoas. Inclusive pro Monge - PRINCIPALMENTE PRA ELE - nesse desafio aí. Porque não basta falar pra ela como eu me sinto, é claro. As pessoas também precisam saber, guardar as coisas não faz bem e blábláblá. E aí é isso: A partir de janeiro tem os 30 dias de Carta por aqui. Já escrevi 10 delas porque é assim que eu funciono.

Aguardem.

A gente já sente chegando o Natal

Fui ontem na terapia pela última vez esse ano porque a terapeuta vai pegar recesso de 15 dias e ir fazer sei lá o quê ela faz quando pega recessos. Na hora de dar tchau e desejar a papagaiada de sempre ("Feliz Natal", "Feliz ano novo", "Não pilha muito, Beatriz") eu lembrei que li num livro que as pessoas sempre ficam mais tristes e mais depressivas nessa época do ano e ia perguntar o porquê dela escolher logo essa quinzena pra sair já que ela provavelmente teria bastante paciente. Aí engoli porque lembrei que ela também é filha de Deus e merece passar os melhores feriados de comida junto com a família e fiquei quieta.
Poréééém... A terapeuta me conhece, né? Aí deu uma reviradinha nos olhos de brincadeira e falou pra eu perguntar logo e parar de achar que ia incomodar. Perguntei. E expliquei o porquê que eu não ia perguntar já que a resposta tinha ficado meio óbvia pra mim antes mesmo de eu falar blábláblá.
Aí respondeu com:


_É que eu sou que nem você, sabe? Eu não sou muito de Natal, mas gosto demais do meu aniversário e do Ano Novo, então gosto de passar esses dias com a família e fazer 15 dias inteiros de festa. 


Ontem eu tive mais informações sobre a vida dessa mulher do que nos quase três anos em que eu a vejo. Mas, em contrapartida, ela conseguiu arrancar de mim um monte de coisas que eu tava escondendo querendo deixar pra lá desde o ano passado. Cada um tem o presente de aniversário que merece. hahahaha

segunda-feira, 14 de dezembro de 2015

She'll just tell you that she came in the year of the cat (2)

aka "Retrospectiva 2015 - parte 1"

*.*.*.*.*.*.*.*.*.*.*.*.*.*.*.*.*.*.*.*.*.*.*.*.*.*.*.*.*.*.*.*.*.*.**.*.*.*.*.*.*.*.*.*.*.*.*.*.*.*.*.*.*.*.*.*


Recapitulando dezembro de 2014...
Meu aniversário, férias, comida, família, várias festas... Dezembro é sempre um mês intenso e maravilhoso. Ano passado fiz festa de aniversário num videokê, numa tarde ensolarada de sábado, e foi tudo de bom. Que mulherrrrrr é dezembro!

PONTO ALTO
Meu aniversário! Claro!

PONTO BAIXO
Não teve. Dezembro geralmente é um mês maravilhoso!



Janeiro
Tags: sentimentos, praia, teleférico.


Janeiro teve aquele lance bonito de eu ter que admitir que no fundo, além de ser otimista, eu sou também uma romântica. Eu gosto de finais felizes e de coisas boas, gosto de que demonstrem o quanto me amam (discretamente, nada de arroubos em público que isso eu acho cafona). Teve também o Desafio Literário do Era Cilada - que eu separei todos os livros pra ler e, de fato, li quase todos. Também fui pra praia mais de uma vez e passei muito tempo perto do oceano - o que sempre corrige as coisas erradas.
Teve também um amigo fazendo campanha pra me arrumar um namorado. Sério. Ele fez uma listinha dos meus prós e contras e divulgou. hahahahahahaha (zero resultados)
Janeiro também teve show do Jorge Ben Jor com um dos meus melhores amigos e eu juro pra vocês que eu NÃO VI o Jorge Ben Jor de tão cheio e tão baixinha que eu sou - podia ser um sósia no palco e eu nunca iria saber.
Teve uma pequena treta com uma amiga que, na real, começou em dezembro e em janeiro se oficializou. 
Ahhhhhhh... E o Kimi Raikkonen foi pai! O Robin Raikkonen nasceu dia 27/01. Que fofura o neném ♥

PONTO ALTO
Férias e reflexões pra começar bem o ano.

PONTO BAIXO
Treta com a amiga.


__________

Fevereiro
Tags: Carnaval, fusca, violão


Eu emendei o recesso de fim de ano do trabalho com as minhas férias e passei maravilhosos 45 dias em casa. Fevereiro começou delicioso porque eu tinha que apresentar o meu trabalho final do curso de Libras e ele foi uma peça de teatro, uma releitura da História da Branca de Neve - e foi divertidíssimo! Teve também trocentos milhões de blocos de Carnaval, incluindo o Cerca Frango e o Soviético. Ahhh, o Carnaval esquerdinha ♥ Tão bonito ir nos blocos e ficar despreocupada com os imbecis passando a mão e sendo desrespeitadores (isso rolou no Soviético)!
Ahhhhhhh... E fiz uma camiseta em homenagem ao orkut: Pulei o Carnaval de Cher Guevara. 
No finalzinho do mês um comentário em que fui marcada no Facebook me fez pular dois metros de altura e me sentir feliz por um milhão de anos.


PONTO ALTO
Carnaval.

PONTO BAIXO
Não consigo, de verdade, pensar em nenhum.



___________




Março
Tags: Cachorro Grande, Show Solo, recaidas

Em março de 2015 eu decidi revisitar março de 2014 e lembrar da pessoa maravilhosa, totalmente fantástica, incrível com quem eu estava saindo naquela época e que, por motivos alheios a nossa vontade (minha e dele), não deu certo. É terrível querer desencanar de alguém porque não tem a menor chance com a pessoa e ela continuar sendo maravilhosa, totalmente fantástica e incrível. Em março eu pensei muito nisso. Mesmo. Mas falei pouco sobre porque 2014 já tinha sido há muito tempo e porque, diferentemente de 2014, eu aprendi bastante sobre meus sentimentos (valeu, terapeuta do capeta, por me induzir a falar de coisas que eu não queria ♥) e saquei que, ao invés de lamentar, eu tinha que ficar grata pela chance de gostar tanto de alguém e de ser capaz disso.
E teve show da Cachorro Grande. Meu Deus do céu, é incrível como eu SEMPRE saio recarregada dos shows daqueles maravilhosos. Um dia vou beijar a testa do Beto Bruno e agradecer pela existência dele.
Ahhhh, também saquei que consigo ir sozinhas em shows (era minha última barreira da solidão) e me divertir bastante.


PONTO ALTO
Sacar que sentir saudade é bom, porque só existem dois jeitos de olhar para o passado: Com mágoa, quando ele foi ruim, ou com saudade, quando foi bom. E saudade é uma coisa boa, after all. E eu consegui dar mais um passinho rumo à independência dos rolês.

PONTO BAIXO
Demorei uns 10 dias pra sacar isso e foram 10 dias bem mimimis.


___________




Abril
Tags: protocooperação


Eu tava na vibe maravilhosa de sacar o quanto é incrível amar alguém e não precisar dessa pessoa por perto pra reafirmar o amor e esse mês foi basicamente sobre isso. Num momento aleatório enquanto eu preparava uma aula caí num lance biológico sobre protocooperação e saquei que podia trazer isso pra minha vida amorosa. Desde então é isso o que eu busco.
Teve também outra mudança no cabelo: Ele tava cacheado e curto, ficou liso e ainda mais curto. Foi uma mudança sinistra e eu não curti muito de cara. Passou.
Minha chefe se aposentou e eu organizei uma mega festa de despedida pra ela, com a participação de antigos funcionários dela. Foi bonito ♥
E eu também passei um final de semana numa chácara com minha família: Não tinha internet e não tinha TV, mas tinha piscina e quase todos os meus primos que eu não via juntos desde o aniversário da minha bisa de 2014.
Em abril eu também tive uma quedinha absurda por um cara de uma das minhas aulas. Foi tão fulminante que eu caí de amores num mês e, um mês depois, quando me falaram dele, eu tive que forçar a memória e soltar um "quem???" pra lembrar quem era e foi só por essa quedinha ridícula que eu deixei em segundo plano o grande "UÉÉÉÉ???" que rolou na minha vida amorosa esse mês, que foi saber que um negócio que eu achei que não fosse rolar, rolou.

PONTO ALTO
Meu nível de autoconhecimento bateu recorde. E eu fui fazer o Allianz Tour, conhecer a "casa nova" do Palmeiras sem ser em dia de jogo e de show.

PONTO BAIXO
Os 15 primeiros dias com o corte de cabelo novo foram complicados. Senti falta dos cachos.
A chefe, que era maravilhosa, foi embora.


___________




Maio
Tags: trabalho, museu, arte


Maio foi um mês meio esquisito. Eu tava no auge do meu semestre acadêmico e desenvolvendo um projeto maravilhoso com museus e pessoas comuns que não frequentam museus. Passei um tempo gigante no MASP, no MAC e no MAM pra bolar um trabalho maravilhoso, que eu apliquei na minha própria família como teste, no dia da Marcha das Vadias. Juro pra vocês que na ceia de Natal desse ano vai ter menos parentes torcendo o bico ou usando de deboche pra falar sobre "a feminista da família" (euzinha).
Mas, por outro lado, eu descobri umas coisas que me deixaram TRISTE demais, aí juntou com as descobertas de abril (aquelas que a quedinha pelo migo de aula camuflou) e pá: Virei geleia.


PONTO ALTO
Os museus foram maravilhosos! Eu nunca tinha ido ao MAC e, de repente, numa única quinzena, fui quase 10 dias seguidos. E fazer um projeto de arte e educação envolvendo a minha família foi ótimo.

PONTO BAIXO
Eu tava meio encanada com umas besteiras que hoje vejo que eram sem razão de ser mas que, na época, me chatearam um tanto.


___________


Junho
Tags: São Bernardo, paixonite


Em junho eu saí pra tomar cerveja despretenciosamente com um dos colegas de um dos meus melhores amigos e acabei caindo de cara numa paixonite maravilhosa. Foi bom enquanto durou, e durou exatamente: Dois filmes, duas saídas pra comer, um show do Caetano Veloso, uma festa Junina e duas fugidinhas no meio da semana pra gente se ver. Mas zero mágoas, só risadas.


PONTO ALTO
Festa junina! Pelo amor de Deus, como eu amo Festa Junina ♥
E paixonite, né? Fazia um tempão que eu não caia de paixonite por alguém.
Ahhh, e teve o show do Lo e o do Caetano. Puta merda, Caetano, como eu te amo ♥

PONTO BAIXO
Não teve. Junho foi um mês impecável.

___________




Julho
Tags: Desencapetamento total, férias, AMIGOS, trabalho.


Em julho a paixonite já tinha subido no telhado e por uma razão muito bizarra. Ainda é muito recente, mas essa história é tão maravilhosa (de ruim e de coisas que deixam a gente totalmente "WTF???") que um dia certamente vai virar post aqui - deixa só o crime prescrever. 
Em julho eu peguei uma semana de férias porque sabia que o mês ia ser pesado na organização do evento final do meu trampo.


PONTO ALTO
Por causa do evento "WTF??" eu tava bem emputecida e irritada. Por causa do trabalho, eu não tive tempo pra sair e beber a mágoa até ela sair no xixi da cerveja (dsclp a imagem ruim). O que aconteceu? Meus amigos do trabalho, aquelas pessoas maravilhosas, fizeram um evento pra desencapetar do semestre: Fomos comer pizza e tomar cerveja numa sexta-feira e foi maravilhoso ♥
É incrível como as pessoas podem melhorar nosso humor com gestos simples. Eu tenho os melhores amigos do universo inteiro.

PONTO BAIXO
O fim da paixonite. Gente, sério. Foi tão RIDÍCULO que eu passei muito tempo dando risadas nervosas e olhando por cima do ombro pra ver se tinha ninguém me seguindo com uma arma e tentando me matar (calma, tô fazendo drama).

___________




Agosto
Tags: Trabalho. Trabalho. Trabalho.


Em Agosto eu trabalhei feito gente grande pra fazer um evento surgir do zero. E deu tudo certo, foi lindo demais.


PONTO ALTO
Ver os resultados de dois anos de trabalho e saber que tudo aquilo rolou porque EU ralei pra fazer acontecer foi maravilhoso. Teve Milton Nascimento e Lo ♥

PONTO BAIXO
Não teve.


___________



Setembro
Tags: Carl's Jr, piscina de bolinhas, Lo Borges.


Setembro eu tava meio cansada por causa de Agosto, então foi um mês bem de boa. O ponto alto do mês foi ter saído pra tomar sorvete, comer hamburguer e brincar numa piscina de bolinhas gigante. Sério, eu fui muito criança em setembro. E teve Lo Borges no Sesc ♥
Fui sozinha porque minha companhia miou e chorei de boca aberta feito criança quando ele cantou c e r t a s m ú s i c a s. Foi o terceiro show com o Lo no ano, mas o primeiro que fui sozinha, estava sentada e pude chorar, cantar e gritar "LO, QUERIA QUE VOCÊ FOSSE MEU TIOOOOO" sem ser julgada.


PONTO ALTO
Lo Borges. Meu Deus, como eu amo o Lo Borges.

PONTO BAIXO
Na-da.

___________






Outubro
Tags: fim de ciclo


Em outubro minha chefe e eu saímos do trabalho. Um ciclo se fechou pra nós duas e chegou a hora de recomeçar. Mas antes, porém, nós encerramos com cerveja, bons papos e fotos maravilhosas. Esse ano eu tive a certeza de que até agora fui abençoada na vida profissional ♥


PONTO ALTO
Fim de um ciclo: Sempre bom encerrar as coisas de um jeito positivo e sacar que nós deixamos uma marca no lugar.

PONTO BAIXO
Fim de um ciclo: Sempre triste sair de um lugar onde a gente se sente bem.


___________




Novembro
Tags: OSASCO

Como a grana vai ficar curta sem trampo (ainda tenho nada em vista: ME CONTRATEM) os meus rolês foram ou caseiros, ou no quintal (ouseja: em Osasco) e isso não foi perdido: Passei muito tempo desbravando a vizinhança, correndo no parque, passeando com os dogs, desbravando o Netflix... E olha, até de Torre de parquinho eu despenquei em novembro. E a temporada na terapia desse mês foi bem boa.


PONTO ALTO
Companhias maravilhosas pra fazer coisas em Osasco que eu nunca tinha feito, pequenas conversas e grandes conclusões.

PONTO BAIXO
Cabô dinheiro. É tão bonito o dinheiro ♥



___________




Dezembro


Dezembro eu vou resumir mais pra frente como sempre.